Capa » COLUNISTAS » Moscas e abelhas

Moscas e abelhas

PAULOSoSTENES-150x125Este é o título de um texto que vi semana passada da professora Acedriana Sandi, gerente pedagógica de sistema da Editora Positivo.

 No citado texto, Acedriana Sandi nos mostra a diferença que existe entre a mosca e a abelha e a analogia da vida desses dois insetos com a vida cotidiana do professor.

 

No decorrer do texto a autora vai criteriosamente comparando o trabalho que é exercido pela mosca e pela abelha, com o trabalho do educador. Em um dos parágrafos ela diz: – “sabemos que as abelhas produzem o mel que serve de alimento durante o período de inverno; no entanto, ao produzirem o seu próprio alimento, elas geram vida em abundância, pois da polinização depende a perpetuação de muitas espécies de plantas e de outras formas de vida. Percebe-se então que, não é apenas um fazer que se limita à extensão, mas também a intensidade do acontecimento. As moscas  também geram vida, mas o fazem depositando bactérias em comidas ou suas larvas em frutos que em seguida apodrecem. O curioso é que esses dois insetos habitam no mesmo espaço e, no entanto, olham para as possibilidades de formas muito diferentes (…)”

Com essa descrição do trabalho dos dois insetos, Acedriana mostra da importância do educador em se comportar como abelha, sempre favorecendo o crescimento e o desenvolvimento, mantendo em sua postura a possibilidade de fecundar em cada um dos seus alunos as suas potencialidades intrínsecas.

Observando o texto me remeti à realidade que vive as empresas de um modo geral. Não tenho a menor dúvida de que podemos encontrar nessas empresas funcionários moscas e funcionários abelhas. Os funcionários abelhas são aqueles que em tudo vêem néctares e, os moscas, são aqueles que em tudo vêem excrementos.

Se pensarmos as empresas como sendo um enorme jardim poderemos ver que o trabalho das moscas vai ser sempre o de buscar os dejetos ali existentes. Já o trabalho das abelhas será sempre o de procurar e encontrar o que existe de mais doce, os néctares. Os movimentos que fazemos são que definem o que iremos encontrar. Se estivermos penetrados de uma postura de abelha, as probabilidades de alcançarmos o melhor não será tão difícil. Mas, se ao contrário, estivermos impregnados da postura da mosca, encontraremos as mazelas existentes em todas as ações que fizermos. Há sempre a possibilidade de encontrarmos os dois elementos.

Evidentemente ao ler este artigo você vai está se perguntando neste momento se na sua empresa você é mais mosca ou mais abelha. É bom lembrar que quando comparamos o nosso cotidiano com o cotidiano de insetos devemos lembrar que por sua própria natureza eles agem dessa forma. Nós, seres humanos, somos dependentes de aprendizagem o que significa dizer que o nosso agir, seja de mosca ou de abelha, só depende de nós. A nossa inteligência não deve nos deixar escolher por sermos moscas. Sejamos então abelhas.

“É nos momentos de decisão que o seu destino é traçado.” (Anthony Robbins)

Até a próxima! Fiquem atentos!

Uma boa semana!

Até a próxima!

Paulo Sóstenes Moreira Rangel

Perguntas, sugestões e críticas a esta coluna:

[email protected]

Enviar Comentário

O www.oagora.net esclarece aos internautas que o espaço democrático reservado aos comentários é uma extensão das redes sociais e, portanto, não sendo de responsabilidade deste veículo de comunicação. É válido salientar que qualquer exagero, paixão política e infrações à legislação são de responsabilidade de cada usuário, que possui sua própria conta na rede social para se manifestar, não tendo o www.oagora.net gerenciamento para aprovar, editar ou excluir qualquer comentário. Use o espaço com responsabilidade.