Capa » COLUNISTAS » 8 DE OUTUBRO – 134 ANOS DE EMANCIPAÇÃO POLÍTICA DE SÃO JOÃO DO RIO DO PEIXE

8 DE OUTUBRO – 134 ANOS DE EMANCIPAÇÃO POLÍTICA DE SÃO JOÃO DO RIO DO PEIXE

SÃO JOÃO DO RIO DO PEIXE 1881 – 2015

134 ANOS DE EMANCIPAÇÃO POLÍTICA – PARABÉNS TERRA QUERIDA E ABENÇOADA.

FOTO SÃO JOÃO

BREVE HISTÓRICO DE SÃO JOÃO DO RIO DO PEIXE

A cidade de São João do Rio do Peixe, localizada no Vale do Rio do Peixe – Alto Sertão da Paraíba, completa no dia 08 de outubro de 2015, seus 134 anos de emancipação política. Foi nesse lugar, as margens do Rio do Peixe, que o cunhado de João Dantas Rothéa construiu uma capela em homenagem a Nossa Senhora do Rosário. A Fazenda São João que pertencia, na época, ao capitão Mor João Dantas Rothéa se transforma mais tarde na cidade de São João do Rio do Peixe. Entende-se que o nome da cidade é a junção do Rio do Peixe com São João Batista, do qual o fundador era devoto.

FOTO DA CIDADE

A história revela que em 1691, o Capitão-Mor da Capitania de Pernambuco, Antônio José da Cunha, descobriu um rio, que veio a chamar de Rio do Peixe, e as suas margens constatou a presença de índios da tribo Icós Pequenos, habitando no local. Ao passar dos anos, a criação de gado e o cultivo da agricultura motivaram os conglomerados humanos. Em decorrência da exploração dessas terras, os primeiros habitantes, os índios, foram humilhados, escravizados e massacrados sendo extintos gradativamente dessa região.

No ano de 1752, as terras da região de São João do Rio do Peixe, pertenciam a João Manuel Dantas passando mais tarde, para o Capitão-Mor, João Dantas Rothéa, motivo do mesmo ser considerado o fundador da cidade.

Vários nomes foram dados a pequenina cidade: São João de Sousa, São João da Vila Nova de Sousa, São João do Rio do Peixe, Antenor Navarro, voltando, a partir de 1989, a se chamar de São João do Rio do Peixe. De início, as terras são-joanenses pertenciam a Pombal e mais tarde, passou a integrar ao município de Sousa.

Conforme a história, João Dantas Rothéa residia no Distrito de Piancó, sendo que em 1765 essa fazenda já pertencia ao mesmo, sendo comprada à Casa da Torre da Bahia.

Aos poucos, foram surgindo a margem do Rio do Peixe, as residências, currais de gado, Senzala e roçados de plantações – fundamentos primordiais para a Povoação. Mais tarde passou a Distrito e Vila em 08 de Outubro de 1881.

Em torno da Casa Grande, o Padre Ignácio João da Cunha, cunhado de João Dantas, ergueu uma capela Consagrada a Nossa Senhora do Rosário. No ano de 1800, nessa singela capela, o Padre Rolim, fundador de Cajazeiras, fora batizado.

Por volta de 1855 começaram as reformas da capela e no ano de 1863 a nova capela fora inaugurada pelo Padre José Gonçalves Dantas, recebendo em 28 de Novembro do mesmo ano, os foros de Matriz Nossa Senhora do Rosário. Com muita fé e devoção os paroquianos de São do Rio do Peixe comemoraram, em novembro de 2013, os 150 anos da referida paróquia.

 No ano de 1882, em 26 de fevereiro, o povoado é elevado à categoria de Vila, seu território é desmembrado do município de Sousa. Conforme a lei 762 de 07/12/1883, ocasionando a constituição da primeira câmara Municipal de São João do Rio do Peixe. Os primeiros vereadores eleitos em 10/09/1882 foram: Antônio Soares de Oliveira, Bento Breckenfeld, Antônio Gonçalves de Jesus e Experidião Ribeiro Maciel. O português, Domingos João Rothéa foi nomeado presidente da Intendência.

Por força do Decreto Municipal nº 50, de 26/05/1932, confirmado pelo Decreto Estadual nº 284, de 03/06/1932, São João perde seu nome de origem e passa a se chamar Antenor Navarro, quando o prefeito Natércio Maia resolveu prestar uma homenagem à memória do Interventor Federal do estado da Paraíba, morto em desastre aéreo nas costas da Bahia em 1932. Após 57 anos, com a promulgação da nova Constituição do Estado, em 05/10/1989, a cidade retorna ao seu nome original. Propositura do Deputado Estadual José Aldemir.

A Povoação ganha os foros de cidade no dia 30 de março de 1938. Em 10 de abril de 1940 foi criada a Comarca de Antenor Navarro, desmembrando-se de Sousa e classificada de primeira entrância.

Os primeiros administradores do município desde sua fundação, respectivamente. (intendentes, Alcaides e prefeito não eleitos) foram: Domingos Rothéa, Padre José Gonçalves Dantas, Padre Manuel da Costa Gadelha, Domingos Rothéa, Manuel Cirilo de Sá, Raimundo F. Coutinho, João Batista, Antônio Filgueira Sampaio, Lauro Nougueira, Francisco G. de Queiroz, Jacob Guilherme Frantz, Martinho Gonçalves, Padre Joaquim Cirilo de Sá, Natércio Maia, Praxedes Pitanga, Francisco Pessoa Queiroz, Estácio Tavares Wanderley, Antônio Espínola Pereira, Gerôncio Estanislau da Nóbrega, Otacílio Dantas Cartaxo, Alberto Brizano Milfont, João Izidro Pereira, Manoel Porfírio de Sousa e Manoel Dantas Ferreira Rocha.

Seguindo a ordem, os prefeitos eleitos a partir de 1947, foram: José Izidro de Almeida, José Alexandre Filho (Senhor Alexandre), Manoel Fernandes Dantas, José Izidro de Almeida, (2º mandato), Jacob Guilherme Frantz (1º mandato), Isaac Mariz Nobre, José Dantas Pinheiro (1º mandato), Jacob Guilherme Frantz (2º mandato), José Dantas Pinheiro (2º mandato), José Benício Dantas, José Nilton Fernandes Dantas(1º mandato), Abel Dantas de Medeiros, José Aldeir Meireles de Almeida, José Nilton Fernandes Dantas (2º mandato), Catarina Eliane Barbosa Gonçalves, José Lavoisier Gomes Dantas (1º e 2° mandato) e o atual prefeito José Airton Pires de Sousa, eleito em outubro de 2012.

Até 1953, a área do município era de 1.479Km2, mas com a criação de vários municípios como: Uiraúna, em 02/12/1953; Santa Helena, em 12/12/1961; Triunfo, em 22/12/1961 e Poço de José de Moura, em 29/04/1994, a sua área se restringe a 474Km2.

No último censo, São João do Rio do Peixe registrou 17.661 habitantes, dos quais 8.684 são homens e 9.035, mulheres. Desse total, 6.654 concentram-se na sede-municipal, enquanto o restante distribui-se pelos povoados, distritos e em cerca de 2.000 propriedades rurais.

A 37ª Zona Eleitoral abrange cinco municípios, a saber: São João do Rio do Peixe, Santa Helena, Triunfo, Poço de José de Moura e Bernardino Batista, com 33.992 eleitores aptos até 05 de outubro de 2014. Desse total, 14.507 votam nas 51 secções eleitorais de São João do Rio do Peixe, que é sede da Comarca.

As comemorações religiosas que merecem destaque são: A da Padroeira do lugar, realizada no dia 7 de outubro de cada ano, constando de missa e procissão em homenagem a Nossa Senhora do Rosário; a de São Francisco, no dia 4 de outubro, que atrai milhares de católicos não só das fazendas, povoados e distritos, como também dos municípios circunvizinhos que superlotam as ruas da cidade, culminando com a tradicional procissão percorrendo as principais artérias da cidade; a de São José, no bairro do mesmo nome (Populares), no dia 19 de março de cada ano; a de São Judas Tadeu, no bairro da Gruta, realizada anualmente, no dia 27 de outubro, bem como, o Mês Mariano, dedicado a Maria – mãe de Jesus.

Na comunicação a cidade tem duas rádios FMs (A rádio Comunitária São João FM e rádio Comercial Mais FM), dois Sistemas de som (Rádio Interativa Popular e Alternativa Rio do Peixe), o Jornal Oficial do Município, a Agenda Telefônica Regional, o site Oagora.net e a revista Enfoque Comunicação.

Fonte: Antonio Nogueira.

 

PARABÉNS ÃO JOÃO O RIO DO PEIXE. SÃO 134 ANOS DE HISTÓRIA.

Oagora.net  “A Notícia está aqui”

Enviar Comentário

O www.oagora.net esclarece aos internautas que o espaço democrático reservado aos comentários é uma extensão das redes sociais e, portanto, não sendo de responsabilidade deste veículo de comunicação. É válido salientar que qualquer exagero, paixão política e infrações à legislação são de responsabilidade de cada usuário, que possui sua própria conta na rede social para se manifestar, não tendo o www.oagora.net gerenciamento para aprovar, editar ou excluir qualquer comentário. Use o espaço com responsabilidade.