Capa » Painel Rotativo » Ambulante é condenado a mais de 13 anos por estuprar adolescente com epilepsia e transtornos psicóticos em São João do Rio do Peixe

Ambulante é condenado a mais de 13 anos por estuprar adolescente com epilepsia e transtornos psicóticos em São João do Rio do Peixe

Por unanimidade, a Câmara Criminal do Tribunal de Justiça da Paraíba negou provimento  à Apelação Criminal nº 0000140-57.2018.815.0051 e manteve a pena de 13 anos, nove meses e dezoito dias de reclusão, em regime fechado, ao réu Sebastião Batista de Abreu.
estupro_1_13
Ele foi condenado pelo Juízo da Comarca de São João do Rio do Peixe pelo crime de estupro de vulnerável, tendo como vítima uma adolescente portadora de epilepsia e transtornos psicóticos.
O relator do recurso foi o desembargador Joás de Brito Pereira Filho e o parecer da Procuradoria de Justiça também foi pelo desprovimento do apelo.
De acordo com o processo, Sebastião Batista é vendedor ambulante e quando passava em frente a casa da vítima e percebia que ela estava sozinha, entrava na residência e levava a adolescente para um dos quartos para manter conjunção carnal. Ouvida pela psicóloga do Centro de Referência Especializado de Assistência Social (Creas), a adolescente disse que o crime acorreu mais de uma vez, entre os meses de dezembro de 2017 e janeiro de 2018. Segundo um atestado médico juntado aos autos, além de portar epilepsia, a vítima sofre de transtornos psicóticos agudos e transitórios.

Depois do recebimento da denúncia oferecida pelo Ministério Público, o Juízo de primeiro grau estabeleceu a pena ao réu por ele ter cometido a infração prevista no artigo 217-A (estupro de vulnerável) combinado com o artigo 71 (continuidade delitiva), todos do Código Penal.

Em suas razões recursais, a defesa requereu a absolvição do apelante, alegando que existem dúvidas quanto à materialidade e autoria delitiva. Noutro ponto, pleiteou, alternativamente, a mitigação da pena-base, o decote da agravante do artigo 61, II, ‘c’ do CP e a redução do quantum aplicado em razão da continuidade delitiva.

Conforme o relator, não há de se acolher a tese absolutória, quando o conjunto probatório dos autos é contundente em reconhecer a existência do delito e o réu como seu autor. “Na hipótese, as provas produzidas no presente feito, declarações da ofendida em harmonia com depoimentos testemunhais e laudo sexológico, evidenciam o recorrente como praticante do crime anunciado na peça acusatória”, destacou Joás de Brito Pereira Filho.

O magistrado também afirmou, em seu voto, que, diferentemente do que alega a defesa, a sentença ora combatida enfrentou de maneira fundamentada o tema, quando atestou configurada a agravante prevista no artigo 61, II, ‘c’, do CP, tendo em vista que o acusado aguardava a menor ficar só em casa, entrando sorrateiramente no imóvel, o que dificultava a defesa da vítima.

Acompanharam o entendimento do relator o desembargador João Benedito da Silva e o juiz convocado Tércio Chaves de Moura. Da decisão cabe recurso.

 

Com Assessoria de Imprensa – TJPB FM Rural

Enviar Comentário

O www.oagora.net esclarece aos internautas que o espaço democrático reservado aos comentários é uma extensão das redes sociais e, portanto, não sendo de responsabilidade deste veículo de comunicação. É válido salientar que qualquer exagero, paixão política e infrações à legislação são de responsabilidade de cada usuário, que possui sua própria conta na rede social para se manifestar, não tendo o www.oagora.net gerenciamento para aprovar, editar ou excluir qualquer comentário. Use o espaço com responsabilidade.