Capa » Painel Rotativo » Homem diagnosticado com Malária na Paraíba é natural de Tavares, no Sertão

Homem diagnosticado com Malária na Paraíba é natural de Tavares, no Sertão

Segundo a secretaria estadual de saúde, a Paraíba não é área endêmica para malária

MALÁRIA

Um homem de 43 anos de idade, morador da cidade de Tavares, no Sertão da Paraíba, foi diagnosticado na última sexta-feira (5) com Malária, após apresentar os sintomas mais comuns da doença; febre alta, dor de cabeça e suor frio.

A secretária municipal de saúde, Shelley Suassuna, garantiu que o paciente não adquiriu a doença em Tavares. “A população pode ficar tranquila. Estamos tomando todas as medidas cabíveis”, disse a secretária.

Shelley relatou que o homem passou mal no município paraibano do Conde, onde estava trabalhando. Ele foi encaminhado para o Trauminha de Mangabeira, em João Pessoa. No Laboratório Central de Saúde Pública da Paraíba (Lacen) realizou exames, que identificaram a doença. Após a confirmação, o paciente foi transferido para o Hospital Universitário Lauro Wanderley (HU), onde está internado em tratamento no setor de doenças infecto-parasitárias. Este foi o segundo caso da doença registrado no Conde.

Em Tavares, com o apoio da secretaria estadual de saúde, a secretaria municipal de saúde realizou na tarde deste sábado (06) a pulverização (fumacê) de inseticida em ruas da cidade tavarense para combater e prevenir a presença do mosquito causador da Malária. A ação que é válida contra outras zoonoses, a exemplo da dengue, foi feita com um veículo equipado com borrifadores.

As secretarias chamam a atenção para os seguintes casos suspeitos de Malária:
* toda pessoa residente ou que tenha se deslocado para área endêmica para malária, no período de 8 a 30 dias anterior à data dos primeiros sintomas, e que apresente febre alta e intermitente (periódica entre 42 a 72 horas) acompanhada ou não de cefaléia, calafrios, sudorese, cansaço ou mialgia;
* diante da suspeita, avaliar a clínica e solicitar teste rápido para malária e/ou gota espessa (lâmina);
* importante também investigar outras arboviroses como dengue, zika e chikungunya;

Segundo a secretaria estadual de saúde, a Paraíba não é área endêmica para malária. De 1994 a 2018 foram notificados 175 casos suspeitos de Malária. Destes, 70 são de pacientes residentes na Paraíba e todos foram registrados como casos importados, ou seja, pessoas que se deslocaram para regiões endêmicas, foram infectadas e retornaram para o estado de residência. Nenhuma morte foi registrada.

Fonte Aryel de Aquino

Enviar Comentário

O www.oagora.net esclarece aos internautas que o espaço democrático reservado aos comentários é uma extensão das redes sociais e, portanto, não sendo de responsabilidade deste veículo de comunicação. É válido salientar que qualquer exagero, paixão política e infrações à legislação são de responsabilidade de cada usuário, que possui sua própria conta na rede social para se manifestar, não tendo o www.oagora.net gerenciamento para aprovar, editar ou excluir qualquer comentário. Use o espaço com responsabilidade.