Capa » Painel Rotativo » Médico explica por que pessoas têm covid após serem vacinadas

Médico explica por que pessoas têm covid após serem vacinadas

O número de contaminados cresce de forma acelerada e, com ele, aumenta também a expectativa pela vacina. Mas especialistas fazem um alerta: mesmo os que foram vacinados contra a Covid-19 devem seguir com o uso de máscara e todos os demais cuidados. Isso porque a vacina não impede que a pessoa se contamine, mas diminui a chance de que ela adquira a doença na forma mais grave e precise ser hospitalizada.

vacina_russa_32435_60675ea9a548c

Reprodução

Mesmo depois da segunda dose e do período para que o organismo produza a devida reposta imunológica, quem tomou a vacina não está completamente imune à Covid-19.

Já temos relatos de infecção de pacientes que tiveram a doença no ano passado, foram vacinados e contraíram a Covid-19 após 28 dias da vacinação. Tiveram sintomas leves, mas é um alerta. Quem está vacinado ainda vive em ambiente de circulação do vírus. Não pode aglomerar e deve usar máscara”, disse o secretário na ocasião.

O infectologista Lauro Ferreira Pinto explica por que isso acontece. “As vacinas não têm 100% de proteção, de eficácia contra a doença e contra a transmissão. As vacinas têm proteção e devem ter impacto em hospitalização e morte. Já era esperado, que mesmo as pessoas vacinadas, podem ter casos de Covid. O que se espera é que sejam casos mais leves”, esclarece.

O médico lembra ainda que a taxa de transmissão no Espírito Santo segue muito alta, o que aumenta o risco das pessoas se infectarem. Assim, quem já tomou a vacina precisa pensar também nas pessoas que estão a sua volta.

É muito importante as pessoas terem noção que, mesmo se já pegou a doença, se já tomou vacina, elas podem pegar e transmitir para algum ente querido. Então é continuar com máscara, continuar com todo o cuidado, porque não temos 100% de proteção. Não sabemos sobre o impacto na transmissão da doença. Temos que continuar mantendo o distanciamento das pessoas e usando máscara”

NOVAS CEPAS“As vacinas foram desenhadas para diminuir hospitalização e morte. É a arma que nós temos. É muito importante vacinar. É possível que lá frente tenha que se calibrar a vacina para novas variantes que estão surgindo no Brasil. Quanto mais alta a taxa de transmissão, mais variação. Isso pode ter algum impacto na vacinação. Nesse momento a missão é vacinar o mais rápido possível”, alerta o infectologista.

Fonte: A Gazeta

Enviar Comentário

O www.oagora.net esclarece aos internautas que o espaço democrático reservado aos comentários é uma extensão das redes sociais e, portanto, não sendo de responsabilidade deste veículo de comunicação. É válido salientar que qualquer exagero, paixão política e infrações à legislação são de responsabilidade de cada usuário, que possui sua própria conta na rede social para se manifestar, não tendo o www.oagora.net gerenciamento para aprovar, editar ou excluir qualquer comentário. Use o espaço com responsabilidade.